Skip to Navigation

Centrais Sindicais se reúnem para organizar a resistência contra a Reforma da Previdência

 

Nenhum direito a menos

08/12/2016 

A unidade para enfrentar a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 287, da Reforma da Previdência, foi o que moveu as principais centrais sindicais a realizarem na manhã desta quinta-feira (8) uma reunião, em São Paulo, para debater estratégias de resistência e luta. Luiz Carlos Prates, o Mancha, representou a CSP-Conlutas. Estiveram presentes representantes da CUT (Central Única dos Trabalhadores), Força Sindical, UGT (União Geral dos Trabalhadores), CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil) , CGBT (Central Geral dos Trabalhadores do Brasil), Nova Central e CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros).

 

O anúncio da Reforma da Previdência foi feito nesta terça-feira (6). A expectativa do governo é que o texto seja aprovado no primeiro semestre do próximo ano. Por se tratar de uma mudança na Constituição, tem de passar pelos plenários da Câmara e do Senado, em duas votações, com maioria de 3/5 dos parlamentares.



Entre outros ataques, o governo alega que os brasileiros estão vivendo mais e por isso devem trabalhar mais, justificando a adoção da idade mínima de 65 anos, para homens e mulheres e que aposentadorias integrais estarão condicionadas a pelo menos 49 anos de contribuição. As novas regras, se aprovadas, serão aplicadas aos trabalhadores dos setores público e privado. O único setor que não será atingido são os militares.

 

Confira no link os principais pontos proposta: Querem que os trabalhadores morram sem conseguirem aposentadoria. Não à Reforma da Previdência!

 

A divergência entre as Centrais, no entanto, está na forma de reação. Algumas, como a Força, pretendem apresentar emendas ao projeto, para ajustá-lo. Já a CUT –que marcou protesto de trabalhadores para esta sexta-feita (9) na região do ABC– declarou que vai colocar seus esforços para retirar a reforma da pauta do Congresso.

 

CSP-Conlutas defende Greve Geral para barrar a Reforma da Previdência e derrotar os ataques do Governo

 

A Reforma da Previdência, somada as outras medidas de ajuste fiscal, é um grande ataque contra os trabalhadores, principalmente entre as mulheres e mais os jovens. Para Luis Carlos Prates, o Mancha, só poderemos derrotar esses projetos de forma unificada. “É preciso organizarmos, todos juntos, uma forte campanha de mobilização em todas as bases de todas as categorias e dialogar com a sociedade. Os trabalhadores já demonstraram a disposição de nossa classe em lutar contra essa ofensiva aos nossos direitos, precisamos intensificar a unidade e construirmos juntos uma Greve Geral contra a Reforma da Previdência e todos os ataques”, conclamou.

 

No vídeo, Mancha informa como foi a reunião e o posicionamento da nossa Central. Confira:

https://www.facebook.com/CSPConlutas/videos/1185455718190088/

Comentarios

Los comentarios anónimos están moderados, por lo que no se garantiza su publicación, sólo los usuarios registrados podrán comentar sin moderación.
La redacción del Rojo y Negro no se hace responsable de los comentarios vertidos, al tiempo que se reserva la eliminación de los comentarios de carácter sexista, racista, autoritario, o arbitrariamente insultantes hace personas concretas, así como el bloqueo del usuario que de forma reiterada no respete estos límites.

Enviar un comentario nuevo

El contenido de este campo se mantiene privado y no se mostrará públicamente.
CAPTCHA
Esta pregunta se hace para comprobar que es usted una persona real e impedir el envío automatizado de mensajes basura.
CAPTCHA de imagen
Enter the characters shown in the image.